A história do Zoiudinho, um gatinho muito especial!

14:26

Na verdade, todos os meus gatos foram especiais. Mas a história deste em questão é um tanto quanto triste. E eu gostaria de compartilhar com vocês, mesmo não tendo um final tão feliz assim.


Eu o chamava de Zoiudinho como nos Monstros S.A. Ele era só um filhotinho quando o acidente aconteceu. Há um tempo meu irmão havia quebrado o portão lá de casa, um portão pequeno de ferro, minha mãe para não deixar sem portão, deixava ele encostado com um outro menor (também de ferro) por baixo (para os cachorros não entrarem). Acontece que, numa tarde ela saiu para trabalhar e todos os gatos foram atrás dela e sem querer ela derrubou o portão menor que caiu em cima do Zoiudinho. Saí correndo com o grito que o gato deu e fui ajudá-lo, começou a me bater um desespero, eu estava sozinha em casa, minha mãe foi trabalhar e o gato não fazia um som sequer, ficava apenas me olhando com aqueles olhinhos grandes e azuis. Liguei para todos os números que conhecia, ninguém disponível. Fui conseguir levá-lo ao veterinário 4 horas depois do ocorrido.



O veterinário disse para eu me tranquilizar que agora ele já não sentia dor, mas que deveria fazer um raio x para saber se não quebrou nada e adivinha o que descobri? Não quebrou nada, foi pior, amassou a medula, ele perdeu todo o movimento na parte de trás e o médico disse que não havia solução que eu precisava sacrificá-lo. Chorei tanto naquele dia, ele era só um filhotinho, não merecia aquilo.

Passou uma semana que eu estava dando remédios à ele e cada dia ficava mais difícil levá-lo ao veterinário para a eutanásia, cada dia eu criava mais amor por aquela criaturinha extremamente carente e que queria atenção o tempo todo. Gostaria de ter tirado mais fotos dele. Todos o amariam, ele se arrastava para lá e para cá atrás de alguém pare esfregar sua cabecinha e brincar, aprendeu a subir nas coisas sozinho, a se divertir como podia.

Um dia, quando brincávamos com ele (eu e minha mãe) reparamos numa coisa incrível, ele mexera o rabinho, pra quem tinha perdido os movimentos era uma boa notícia. No dia seguinte corri para levá-lo ao veterinário (de ônibus - o que eu não sabia, era proibido, quase que não consigo voltar para casa), quando cheguei lá a primeira coisa que o veterinário disse me desanimou “é apenas um movimento involuntário” e então ele pegou como se fosse um alicate e apertou o rabo do meu gato, na hora fiquei irritada achando que machucaria, mas no fundo estava na esperança que machucasse, afinal significaria que ele estava se recuperando, porém, nada aconteceu. Voltei para casa com ele dormindo em meus braços, a partir daí tudo desandou.

Ele piorou, a pele da sua perninha começou a rasgar, ele se jogava nos formigueiros e eu não dava conta de cuidar, dava banho três vezes ao dia, todos os dias, tentava cobrir sua perninha com panos para não ficar arrastando direto no chão. Mas não adiantou, ele começou a ficar mais e mais doente. Numa manhã liguei para o meu padrinho que tinha um aviário e pedi para levá-lo que ele já estava sofrendo demais, ele disse que chegaria na hora do almoço, então dei um banho nele, enrolei suas patinhas e o deixei deitado no sol, eu o observava de longe enquanto sua respiração ficava pesada. Não aguentando mais olhar entrei para esperar meu padrinho. Quando decidi voltar para ver como ele estava, já era tarde demais, ele tinha partido em silêncio.

Eu já sabia que isso aconteceria mais cedo ou mais tarde, mas não conseguia aceitar. Ele ainda era pequeno. Um gato amável que só queria estar na companhia de alguém e brincar. Guardo ele com muito carinho no meu coração. Foi o gato mais alegre e empolgado que eu tive e eu o amo muito.

Dormindo com os irmãozinhos (antes do acidente).

Desculpe a qualidade das fotos, são velhinhas e tiradas do meu celular antigo.

Você pode gostar também

16 comentários

  1. henhein :(
    Eu tive uma gatinha que se arrastava pq um cachorro a atacou, e ela perdeu o movimento das patinhas traseiras. Meu pai tirou-a do trabalho e levou pra casa, mas pense num trabalho, ela sujava tudo, por onde andava ficava o rastro de sujeira... fizemos o que podíamos, mas ela não sobreviveu :( O nome dela era Mina. Sinto pelo seu gatinho, mas sei que o tempo que ele passou com vc, apesar do acidente, ele foi feliz...
    bjs, flor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem jeito né. Meu gato tbm fazia muita sujeira. Tomava três banhos por dia. Tinha que ter muito cuidado. Queria que tivesse ficado <\3
      Nha espero mesmo que ele tenha sido. Minha atenção era praticamente dele haha

      Excluir
  2. Aí Mari, que triste!
    Tadinho do Zoiudinho.:'(
    Eu já perdi uma cachorra, saiu pelo portão e não a encontramos mais. Pelo menos não a vi sofrer, deve ter sido muito difícil pra vc.
    beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ja tive várias perdas de gatinho, mas esse foi o que mais mexeu comigo. Teve outro que mexeu bastante, mas não sei se supera esse sabe.

      Excluir
  3. Bah, Mari, acabou comigo esse teu texto... :(
    Atualmente tenho 3 gatos. Já tive outros animais e toda vez que passo por uma situação de perda assim, fico mal durante muito tempo.
    Fica bem.
    Beijo.
    Karina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi triste, mas agora ele tá bem. Não vejo a hora de poder ter outro sabe. Mas ao mesmo tempo eu tenho tanto medo de perder de novo.

      Excluir
  4. T_T Realmente, ele era muito lindinho, e é de partir o coração sua história, amo gatinhos e também já tive que lhe dar com perdas, mas a sua parece bem pior pelo fato dele ter sofrido também. Quando vi a foto dele de "fralda" achei muito fofo e achei que o final infeliz seria apenas a paralisia.
    Espero que esteja melhor <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei que a fralda resolveria, mas não adiantou ele acabaria ficando doente. Sujava - se demais. Dava bastante trabalho. Mas fazer o que né. Eu só espero que ele não tenha sofrido muito sabe. Fico meio tristinha por lembrar. Mas já estou bem melhor, mal conseguia falar dele sem chorar <\3

      Excluir
  5. Nossa que texto triste até chorei.
    Mais pense que hoje ele está em um lugar melhor,
    eu sei o quanto é dificíl perder um bichinho como este.
    Acabei de conhecer seu blog e adorei,se puder dá uma passadinha no meu dicasdamonica.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chorou mesmo? :O
      Obrigada, assim que me sobrar um tempinho eu vou sim, pode deixar. Beijos.

      Excluir
  6. Quase que eu choro Mariana, me lembrei do meu gatinho que morreu esse ano. Na verdade, o meu era um gatão. Já tinha quase 6 anos. Eu nem gosto de gatos pra falar a verdade, mas o Botucas (meu gato - o nome veio do Livro da Meg Cabot) não era um simples gato. Ele chegou na minha casa com uma semana de vida, e eu nem gostava dele, mas o tempo foi passando e ele se tornou alguém da família. Deus do amor que eu tenho pelos meus pais, o maior que já senti na vida, foi e, é o amor que sinto pelo meu gato.
    A história é longa, com trajetória linda, mas final triste.
    Meu gatinho morreu meio que "do nada", e foi um fim parecido com o do seu. Ele estava sofrendo com febre e dores, e eu fiquei tentando animá-lo, e ele mexia o rabinho com dificuldade. Até que em um minuto, um exato minuto, eu sai de perto dele, e quando voltei ele já tinha partido. As semanas que seguiram foram difíceis. E ainda é difícil falar dele -chorando-.
    Eu praticamente fiz outro post aqui ein?! kkk Acho até que vou fazer um post tb. rs
    Beijos flor

    armariochines.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você ganhou o prêmio de maior comentário de todos haha. Mas então, eu sempre gostei de gato, pois desde criança tive. Amo demais cachorro, eles são tão alegres e querem todo mundo. Gayo é mais seletivo. Os meus sempre foram uns amores, até com visita tinha gente que vinha aqui em casa e não gostava de gato, passou a gostar depois que conheceram os meus. E não adianta, não da pra não se apegar. Aqui em casa eu era mais apegada que todos, pois era cmgo que eles dormiam, ja levei na panificadora cmgo, até pra tomar banho haha então é difícil quando tem que partir.

      Sobre o seu gato, faça o post e me manda o link. Tudo relacionado a gato eu vejo. Estou pensando em fazer mais posts sobre os meus. Só que maos feliz ♡

      Excluir
  7. Oii, Mariana!
    Antes de tudo, eu terminei de ler o seu post e já estava chorando. É uma história bonita, com um final triste... Mas eu amo animais! E ao ler como você cuidou dele e como ele aguentou bastante até o fim deu um aperto no coração. Sei lá, eu acredito que esses bichinhos fofos fazem parte da nossa vida para ensinar algo, além do amor incondicional que eles entregam para nós.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso que eu só contei a parte triste, estou pensando em preservar a memória do meu bebêzinho aleijadinho fazendo outro post, mas contando apenas os momentos fofos e as sacanagens que ele me aprontou. Ain, eu sou apaixonada por gato, mas nunca pensei que fosse reagir como foi com ele, o cuidado que precisei ter, mesmo irritada, cansada, eu dava banho nele pacientemente, depois secava e ficava com ele muitas vezes no dia, na época eu só estudava, então tinha tempo sabe. Apesar de tudo eu sinto saudade daquele pestinha <3

      Excluir
  8. Estou em choros.
    Isso é muito triste. Ver a foto dele vivo e agora saber que está morto, mano, muito triste mesmo.
    Eu sinto muito, creio eu que vc fez o que pode.

    ResponderExcluir
  9. Meu Deus Mariana, sou apaixonado por gatos...Apaixonado mesmo por felinos no geral. Que nó na garganta me deu essa historia. Perdi meu Frodo e desde então não consegui ter outro gato, não acho justo ter um e deixa-lo o dia todo sozinho em casa. Parabens pelo blog, o texto enfim...E sinto muito pelo Zoiudinho "/

    ResponderExcluir

Mais acessados

Curta no Facebook

Twitter